Três passos para a sua empresa adotar a Indústria 4.0

A chegada da Indústria 4.0 representa a possibilidade de aumentos significativos de produtividade e redução de custos para empresas que têm a automação industrial no radar. Por outro lado, aquelas que não dispõem de tecnologias digitais para aproveitar os benefícios dessa evolução correm o risco de estarem em séria desvantagem competitiva.

Sua empresa está pronta para acessar as oportunidades da Indústria 4.0? Antes de responder, é necessário entender melhor este conceito.

Indústria 4.0 é uma expressão que engloba tecnologias digitais, como Internet das Coisas (IoT), Big Data, Cloud Computing, Machine Learning (ML) e Inteligência Artificial (IA) aplicadas ao ambiente industrial.

Em comum, essas soluções compartilham alguns requisitos básicos: captura e capacidade de processamento de grandes volumes de dados, algoritmos de inteligência aplicados a processos, integração com os dispositivos no chão de fábrica e um banco de dados das variáveis relevantes tanto para a produção quanto para os negócios.

Fazer uso de tecnologias como Big Data, Inteligência Artificial e IoT está no seu radar? Então saiba quais são os passos para deixar sua indústria preparada para esta transformação. Vamos lá?

1º Passo: A infraestrutura

Grande parte das tecnologias que constituem a Indústria 4.0 exige uma capacidade massiva de processamento, maior do que a disponibilizada atualmente em Controlador Lógico Programável (CLP). Assim, são geralmente implementadas em servidores baseados em ambiente Windows, na camada de supervisão ou “acima” dela (se pensarmos na pirâmide clássica de automação). 

Um data center bem estruturado e uma equipe de automação com conhecimentos em TI são fatores que contribuem de maneira significativa para a prevenção de problemas relacionados a este pré-requisito, o que nos leva ao próximo passo dessa jornada.

2º Passo: A conectividade

Uma vez estabelecida a camada computacional no servidor, é preciso estabelecer uma forma de comunicação com o chão de fábrica. Seja para atuar diretamente sobre o processo produtivo ou apenas adquirir os dados necessários para alimentar as ferramentas de gestão.

Nesse sentido, é essencial que sua empresa possua infraestrutura de comunicação, mais especificamente, uma rede que interligue os CLPs da planta, de preferência utilizando um protocolo de comunicação baseado em ethernet industrial. Isso é altamente recomendado para tratar volumes massivos de dados e comportar múltiplas ações coexistindo no mesmo cabo, sem perda de desempenho; bem como um protocolo de comunicação OPC, fundamental para a integração entre diferentes fornecedores de hardware. Esse protocolo é responsável pela tradução dos drivers de comunicação de cada CLP, possibilitando leitura/escrita de variáveis e aplicações baseadas em Windows.

Caso sua planta já possua uma arquitetura de rede estruturada dessa maneira, provavelmente você não terá problemas nessa área. Entretanto, vale notar que alguns servidores OPC apresentam limitações quanto ao número de clientes (equipamentos) que conseguem suportar, assim como restrições de leitura/escrita.

Por isso, é interessante se informar com seu fornecedor de hardware para entender essas limitações e saber se novas licenças ou upgrades precisarão ser considerados.

3º Passo: Os dados

Finalmente, é necessário um volume massivo de dados para alimentar conceitos que, no final do dia, habilitem e acelerem a jornada para a Indústria 4.0. Para isso, você precisa garantir que os processos da planta possuam instrumentação confiável e abrangente.

Dessa maneira, os sensores realizarão a leitura de variáveis relevantes e indicadores-chave, os atuadores permitirão controle dessas variáveis (e, posteriormente, implementar um controle avançado) e, por fim, uma plataforma para armazenar o valor dessas variáveis – um historiador – possibilitando a elaboração de análises e relatórios de performance.

A instrumentação pode ser um fator um pouco mais complexo, caso não tenha sido prevista durante o fornecimento do equipamento. Neste caso, será necessário um esforço considerável para entender quais sensores e atuadores são fundamentais. Já a instalação e a configuração de um historiador são mais simples, principalmente se os dois primeiros pré-requisitos abordados nesse artigo já estiverem sanados.

Um passo rumo ao futuro
Se sua indústria possui esses três requisitos, parabéns! Ela está pronta para dar os próximos passos em sua jornada para Indústria 4.0. Um desses passos é justamente transformar dados em inteligência, que permitirá ganhos de eficiência, escalabilidade e produtividade.

Líder em Inteligência Artificial para a Indústria, a I.Systems desenvolve soluções que ajudam empresas a avançarem com confiança e eficiência rumo ao futuro. Baixe esse e-book e descubra como a IA está impulsionando a Indústria 4.0.

Bitnami